Os Anjos e a Cabala


Segundo a escritora e pesquisadora Maria Tereza Franchi em seu livro “Os três Anjos Pessoais”, é impossível dizer ao certo quantos anjos existem, pois eles são energia pura e, segundo São Tomás de Aquino “puro intelecto”. Algumas passagens da bíblia falam de “milhares e milhares de anjos”, ou “multidão de anjos”, “legiões de anjos”, etc.


O número de anjos não aumenta nem diminui, pois foi fixado no momento da criação do mundo. A Cabala ( doutrina esotérico religiosa dos judeus) fala em 72 anjos.


Uma lenda antiga conta que Deus ensinou a Cabala a um grupo de anjos que formavam uma escola de teosofia. Após a queda de Adão, essa doutrina foi ensinada aos seres humanos pelos anjos, afim de que um dia recuperassem a graça de Deus.


Outra versão diz que Abraão recebeu os segredos da Cabala diretamente de Deus e os transmitiu aos seus descendentes, sendo que o último a recebê-los foi José. A partir daí os segredos foram perdidos. Moisés recebeu no Monte Sinai o conhecimento cabalístico sob a forma do nome de Deus. A Torá, recebida por Moisés no Sinai contém os códigos da lei e os mistérios secretos. Moisés deu ao seu povo apenas os códigos, reservando os mistérios para seus eleitos, que eram homens de fé e de sua inteira confiança. Os conceitos e ensinamentos foram então guardados e posteriormente incluídos de forma dispersa na bíblia. Todos os poderes da mente do homem podem ser despertos através da Cabala.


A escritora Mônica Buonfiglio nos explica em seu livro “A Magia dos Anjos Cabalísticos”: “ A Cabala diz que o segredo para entender os segredos e mistérios da criação é a interpretação das 22 letras hebraicas que formam o alfabeto hebraico, pois ele representa as diversas energias que comandam e sustentam o Universo. Essas 22 letras estão presentes nos 22 arcanos maiores do tarot e se manifestam através dos 72 anjos cabalísticos. Os cabalistas descobriram que a soma do valor numérico que compõem o nome de Deus dá o total de 72. Foi através de um desdobramento das letras hebraicas que formam o nome de Deus e da combinação de certas terminações como “el” “iah” que surgiram os nomes dos 72 anjos da Cabala, que trazem em suas letras todas as qualidades atribuídas a Deus. A compreensão do nome de Deus é essencial para que se entenda os mecanismos da vida ou as leis cósmicas. Os nomes dos anjos cabalísticos foram tirados de uma parte do livro do Êxodo da bíblia hebraica e de uma complexa combinação de letras das palavras ali contidas. Cada um dos 72 anjos influencia 5 dias no ano ou 5 graus do Zodíaco, já que 72 x 5 = 360. Os 5 dias restantes não possuem um protetor específico: são os Gênios da Humanidade. Esses são considerados como entidades kármicas e tem a liberdade de escolher qualquer anjo com o qual se identifique mais para ser seu protetor, pois são protegidos por todos os anjos em geral”, finaliza Mônica.


O pesquisador Carlos Lima explica que provavelmente os nomes dos 72 anjos cabalísticos serviam como mantras para os cabalistas e eram destinados apenas aqueles que conhecessem o segredo. Para alguns pesquisadores eles não tem nada a ver com os anjos da guarda comuns, pois considerando-se que eles iluminam todos os nascidos a cada 5 graus do Zodíaco, eles não podem ser anjos da guarda particular de todas essas pessoas. Portanto, apesar deles estarem ligados à humanidade e poderem ser invocados para resolver qualquer tipo de questão na qual são especialistas, eles estão distantes de nós”, finaliza Carlos. O que se conclui é que embora sejamos influenciados e protegidos por um dos 72 anjos cabalísticos, ele não são os nossos anjos de guarda pessoal, mas sim outro anjo comum encarregado dessa missão específica, afinal existem “milhares e milhares de anjos”, conforme diz a bíblia.