A Origem da Numerologia


Desde a Antiguidade a humanidade tem usado os números como um meio de fazer previsões através do significado de seu valor simbólico. Cada povo desenvolveu um sistema próprio sempre relacionando as letras, isoladamente ou em sequências sonoras, aos algarismos. Assim podiam relacionar significados aos nomes, avaliar nomes e fazer previsões para o futuro das pessoas. Egípcios, chineses, gregos e romanos os utilizaram.


Quando ainda não se conheciam os algarismos no formato arábico que se popularizou em todo mundo civilizado, ainda assim a Numerologia já existia, mas fazia parte do ensino dos Grandes Mistérios.


A origem da Numerologia vai ainda mais além, remontando aos templos de Ísis, à Atlântida e à Lemúria. Muito antes que o alfabeto fosse inventado, antigos eruditos estudaram a Numerologia para se orientarem na vida cotidiana.


Mas a verdadeira origem da Numerologia está perdida na história. Suas raízes vem de 10000 anos, do Egito e da Babilônia. A ciência dos números com seu conteúdo místico e esotérico foi ensinada nos templos do Egito e da Ásia e serviu como base espiritual para diversas sociedades e fraternidades secretas e até hoje é um método de auto-ajuda muito popular.


Há registros e avaliação da Numerologia desde as civilizações mais antigas, como a dos sumérios da Baixa Mesopotâmia e entre os fenícios, caldeus e árabes. Mas foram os gregos que trouxeram a Numerologia do Oriente para ao Ocidente, posteriormente disseminada pelos romanos. Os gregos consideravam os números “eternos e universais”, e acreditavam que os números eram os únicos elementos que conhecemos bem, fazendo-nos entender o propósito da própria existência.


As tradições hindu e árabe afirmam que os números são os únicos elementos do Universo que sempre permanecem inalterados. Segundo essa teoria, os números não regem, mas influenciam e guiam nossas vidas, podendo influenciar sobre nosso caráter e Destino.


Segundo o Zoar, uma coleção de textos sagrados, “O Universo foi criado por 3 formas de expressão: números, letras e palavras”.


A numeróloga Maria Orlanda Furlanetto nos dá mais detalhes sobre a origem da Numerologia:


“Sabe-se que os hebreus já a usavam desde o século XII a.c e que seus fundamentos tiveram origem na Cabala, principal tradição dos mistérios judaicos, cuja doutrina é baseada em interpretações alegóricas e numerológicas da Bíblia. Segundo a Cabala, os números derivam do nome de Deus (em hebraico). Foi Pitágoras (571-497 a.c) que transformou a Numerologia num ciência exata. Ele foi um importante matemático e filósofo grego, tendo como um de seus mestres Zoroastro, um sábio persa, grande conhecedor da Cabala. O princípio fundamental da doutrina de Pitágoras é a tese de que “o princípio de todas as coisas é o número”, o que significa que o conhecimento de tudo o que existe no Universo só pode ser obtido através da compreensão numérica. Sabe-se que Pitágoras fundou uma confraria científico-religiosa chamada “Escola Pitagórica”, ligada ao orfismo, religião cujos seguidores acreditavam na reencarnação como dádiva divina para a purificação da alma. Nessa confraria ele introduziu ao orfismo a investigação matemática, que segundo ele, também era um recurso para a salvação da alma. Diversas escolas pitagóricas seguiram seus passos, sendo que todas tinham em comum a idéia de que o número é a essência de todas as coisas e que o Universo é regido pela matemática. Pitágoras também é conhecido como “pai da Numerologia moderna”, pois foi o criador da tabela que atribuiu um valor numérico para cada letra do alfabeto, a tabela pitagórica. Essa tabela é a base do método criado hoje em dia para o estudo numerológico. A origem da Numerologia foi na Antiguidade, tendo sido usada pelos gregos e cabalistas. A Numerologia moderna é fruto das pesquisas de Pitágoras, que desenvolveu um sistema que se baseia na teoria de que o mundo e o Universo são regidos pelas leis da matemática. Portanto, através da análise e compreensão numéricas é possível entender melhor o ser humano e a natureza, pois os números e suas vibrações são o alicerce do Universo. Tudo pode ser explicado por eles. Pitágoras pesquisou em inúmeras filosofias o significado místico dos números e moldou a ciência que hoje usamos”, finaliza Maria Orlanda.


As numerólogas Carmen Arabela e Jane Prisca nos contam mais sobre Pitágoras:


“Pitágoras nasceu na ilha de Samos, na Grécia, por volta de 571 a.c, e faleceu em torno de 500 a.C. Foi matemático, filósofo, astrólogo e músico. Pitágoras foi um dos maiores filósofos da Antiguidade. Deixou muito cedo a casa dos pais e foi para o Egito onde foi iniciado. Durante sua juventude passou muitos anos viajando pelo Oriente, tendo encontrado e estudado com líderes espirituais do Egito, Índia, Arábia, Pérsia, Palestina, Fenícia, Caldéia e Babilônia. Dizem que estudou com o sábio persa Zoroastro e aprendeu Cabala na Judéia. É considerado como o primeiro matemático puro. Porém, pouco se sabe sobre suas realizações matemáticas, pois não deixou obra escrita e além disso a Sociedade que ele fundou e dirigiu tinha um caráter comunitário e secreto. Os historiadores afirmam que foi Pitágoras quem descobriu a Numerologia, pois foi ele quem fez a compilação científica dos números e suas influências na vida humana, assim como a elaboração de técnicas para a formulação do Mapa Numerológico. Ele associou as expressões humanas aos números e desenvolveu mecanismos para elaborar um roteiro que tornasse possível o entendimento dessas influências numéricas no decorrer da vida humana. Assim ele criou as descrições de cada número e o Mapa Numerológico. Suas descobertas numerológicas ultrapassaram e muito o conhecimento de sua época. Para Pitágoras “todas as coisas podem ser transformadas em números e todas as experiências da vida estão contidas nos números de 1 a 9. Pitágoras foi um grande e iluminado filósofo, que através da análise humana codificou os conceitos básicos da Numerologia, que tem sido amplamente usada até os dias de hoje. Para Pitágoras, a harmonia e o equilíbrio do Universo repousam nos números e na geometria.


Pitágoras acreditava que os números eram “a essência de todas as coisas” e que tudo no Universo funcionava em ciclos progressivos passíveis de serem previstos. Os seus meios de medir esses ciclos eram os números de 1 a 9. É através dessa compreensão que podemos assimilar a progressãao de todos os ciclos de vida de uma pessoa. Ele também atuou no simbolismo dos números expressando seu significado. Foi Pitágoras quem designou os números básicos de 1 a 9 como princípios místicos de evolução das pessoas e das situações que vivenciam.


Pitágoras era conhecido como “pai da Numerologia” e estabeleceu uma verdadeira correspondência metafísica do número como arquétipo, símbolo essencial da vida. Também estabeleceu uma forte ligação entre os números e as notas musicais, descobrindo assim a expressão numérica de vários tipos de sons, ou seja, a relação entre número e energia. Segundo ele, os números possuem uma virtude mágica por serem os vínculos que unem o céu à terra, o espírito à matéria. Os números emanam energias cósmicas, energias físicas, telúricas, além de energias vibratórias sonoras, porque ao pronunciar seu valor, um mantra é expelido com força. E cada um atua nos chakras, podendo fazer-nos bem ou mal. Daí a importância de cada palavra. Cada número representa uma área da experiência humana fixada nos algarismos de 1 a 9. Cada letra da tabela numerológica corresponde a um número, recebendo portanto, a vibração dele e atraindo sua experiência. Segundo os estudos de Pitágoras, os números são essência física e etérea de tudo que há no Universo e eles trazem características próprias. Quando combinados ou calculados, expressam uma relação estreita e harmônica com fenômenos naturais, como o ciclo das estações e movimento dos astros ou com a harmonia musical e proporções geométricas. Pitágoras disse que “tudo está arranjado de acordo com os números”. Sem o entendimento mais profundo de seus significados deixamos de perceber certas conexões em nossas vidas. O conhecimento das forças expressas pelos números mostram um horizonte amplo e repleto de significados em nossa busca. É importante saber associar os números certos aos nossos propósitos.


Dizem que ele aprendeu Cabala na Judéia. Portanto, a ciência que ensinou era baseada em princípios cabalísticos. Ele ensinou que “a evolução é a lei da vida; o número é a lei do Universo e a unidade é a lei de Deus”. Ensinava também que os números são diferentes dos algarismos ou números naturais: “os números representam qualidades; os algarismos representam quantidades. Os números operam no plano espiritual, enquanto os algarismos servem para medir as coisas no plano material”. Pitágoras revelou aos iniciados (Platão era um de seus discípulos) o verdadeiro valor das letras e sons correspondentes, pois cada palavra e nome vibram de acordo com um número e cada número tem seu significado interior. Pitágoras e seus seguidores acreditavam nas propriedades místicas dos números. Chegaram à conclusão de que “tudo é número” ou vibrações baseadas em números, o que significa que tudo no mundo é feito de números e pode ser reduzido a um valor numérico, o que consiste no fundamento da Numerologia. Além de descrever os números em termos matemáticos, os pitagóricos também descreveram em termos de características não numéricas. Essas características tinham mais a ver com a intuição e misticismo. Por exemplo, os números ímpares são masculinos e os números pares femininos. O número 1 é criativo, já o 2 representa a dualidade. Como 2(feminino) + 3(masculino) = 5, o número 5 representa o casamento, e por estar “no meio” dos números de 1 a 9, também representa a justiça. O número 10 é considerado sagrado, principalmente por ser a soma dos 4 primeiros números. Ao contrário dos pitagóricos, os numerólogos modernos aplicam números às pessoas. Segundo eles, os números de 1 a 9 tem propriedades únicas, que são o resultado direto de sua vibração inerente. Algumas dessas propriedades vem dos escritos de Pitágoras e outros vem da maneira como as culturas ao redor do mundo usam e abordam os números.


Porém, devido à biografia confusa e obscura de Pitágoras, parte de seus conceitos matemáticos combinam-se com noções esotéricas. Por essa razão, seus pensamentos e estudos não são totalmente aceitos pelos pesquisadores.


A Numerologia era um conhecimento passado apenas oralmente para um grupo de iniciados escolhidos a dedo, mediante rígidos critérios. Ele próprio não deixou nada escrito, conforme orientação recebida e seus ensinamentos tinham que ser decorados por seus discípulos, pois era proibido escrevê-los. Apenas após sua morte, seus fiéis seguidores romperam essa tradição e aos poucos foram transcrevendo os ensinamentos de seu mestre. Platão foi um de seus seguidores e a ele devemos a maior parte do que conhecemos sobre a Escola Pitagórica. Outra contribuição foi dada por Platão (427-347 a.C), que era fascinado pelos números e dizia que eles governavam o mundo, e os considerava “eternos e universais”. Ele acreditava que os números eram os únicos “elementos” que se poderia conhecer realmente, porque basta a razão para entendê-los.


Também podemos ver traços da Numerologia nas obras de Aristóteles e Hermes Trismegistus. “Os números são eternos e universais e governam o mundo” – Platão.