O Tarot Gótico


Segundo a pedagoga e escritora Beatrix Algrave, a origem do termo gótico está ligada a um estilo de arte medieval entre os séculos XIII e XIV, que sucedeu o estilo romântico dos séculos XI e XII, fazendo-lhe oposição. Sua presença é bastante marcante na arquitetura, que conta com catedrais famosas que seguiram esse estilo, como Notre Dame de Paris, Chartres e Reims. Em seu apogeu a arte gótica era conhecida como "OPUS FRANCIGENARUM", que quer dizer "obra francesa", referindo-se a sua origem. Nos séculos XV e XVI com a Renascença e o entusiasmo pela Antiguidade Clássica, a Idade Média passou a ser considerada como uma época bárbara e obscura. Como os Godos eram o povo bárbaro mais conhecido, o estilo passou a se chamar "gótico", ou seja, bárbaro por excelência, alcançando um sentido pejorativo e de grande desprezo.


O estilo gótico tem influência na arquitetura, na escultura, na literatura, na pintura e , atualmente, vem sendo redescoberto através da música e do cinema.


Existem várias versões do Tarot Gótico no mercado internacional atualmente, mas uma das mais belas foi concebida por Joseph Vargo. Suas cartas são escuras e a arte muito bonita e harmoniosa. A presença de vampiros é constante, assim como de  gárgulas, fantasmas e anjos negros, que lhe dão um tom gótico muito original. As cartas têm cores fortes, com detalhes de um brilho muito requintado, dando um ar sombrio a cada uma delas.


Suas ilustrações foram compostas a partir dos trabalhos já publicados de Joseph. Muitos desenhos foram simplesmente transformados em cartas e há várias figuras que foram alteradas para se encaixarem no simbolismo tradicional de cada arcano. Há ainda desenhos que foram criados especialmente para ilustrar o tarot.


As cartas do Tarot Gótico de Joseph Vargo foram aclamadas pela crítica e formam uma das versões mais vendidas da atualidade. Em suas lâminas está contido o simbolismo mitológico e oculto, escondidos dentro de sua arte final em seu mais completo potencial divinatório.